Cadastro Selectus

Assine nossa lista, e receba as últimas noticias no seu e-mail.

Cadastro Whatsapp

Receba as notícias no Whatsapp e esteje sempre atualizado
24 de maio de 2022

EUA – Poluição da Força Aérea obriga produtor sacrificar 3.665 vacas

ESPECIAIS
Fonte: Dairy Herd – Tradução livre: www.terraviva.com.br | Foto de capa: Photo by Aaron Barnaby on Unsplash

Contaminação/EUA – Art Schaap, proprietário da Highland Dairy em Clovis, no Novo México, está vivendo um pesadelo nos últimos quatro anos. Felizmente, esse sonho ruim está chegando ao fim.

Em agosto de 2018, Schaap recebeu informação de que sete dos 13 poços localizados em sua fazenda leiteira estavam contaminados por toxinas chamadas per e porfluoroalquil (FPAS). Essas substâncias tóxicas entram nas águas subterrâneas depois que a espuma aquosa formadora de filme, substância utilizada para abafar chamas em exercícios de treinamento de fogo, foi aplicada na Base Aérea Cannon nas proximidades da propriedade.

Em julho de 2017 uma inspeção realizada por cientistas da Força Aérea encontraram contaminação perto da propriedade de Schaap – uma inspeção que só foi realizada oito anos após a Força Aérea identificar como necessária, relatou o The Guardian. A Força Aérea apresentou o resultado ao Departamento do Meio Ambiente do Novo México, mas não avisou as pessoas que estavam por perto. Quando a Força Aérea finalmente testou a água de Schaap, em 28 de agosto de 2018, eles verificaram que a água estava tão poluída que imediatamente os militares começaram a entregar água engarrafada para a família. Um dos poços de Schaap tinham 171 vezes mais quantidades de substância do que o máximo estabelecido pelas autoridades de saúde.

“Potencialmente a substância tóxica esteve na água subterrânea o tempo todo em que fui dono da fazenda”, disse Schaap.

Infelizmente, a água contaminada dos poços foi fornecida a todo o rebanho de Schaap. Testes mostraram que as vacas, junto com o leite que produziam estavam contaminados com PFAS em níveis classificados pela Administração de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (FDA) como inseguros para o consumo humano. Com o leite contaminado, Schaap foi forçado a descartar aproximadamente 15.000 galões de leite por dia.

“Tudo pelo qual trabalhei e cuidei foi contaminado”,  disse Schaap ao repórter do New Mexico Political. “Eu não posso vender leite, nem carne. Nem posso vender as vacas. Não posso plantar em minha propriedade. A Força Aérea sabia da contaminação. Por que não disseram alguma coisa?

Descarte do rebanho

Quatro anos mais tarde, o pesadelo de Schaap está chegando ao fim, mas não sem sofrimento. Depois de descobrir que as toxinas PFAS estavam presentes em seus animais, Schaap sabia que em algum momento seria forçado a sacrificar todo o rebanho. Infelizmente, esse dia chegou.

No início do mês, a Highland Dairy, com a assistência e orientação do veterinário do Comitê Pecuário do Novo México, sacrificou humanamente 3.665 vacas – o rebanho inteiro de Schaap.

O custo estimado das perdas de receita e aumento das despesas é de US$ 5.946.462, sem levar em conta os custos futuros associados à compostagem, a mortalidade de animais e o descarte final, de acordo com o Departamento de Meio Ambiente de Novo México (NMED) em comunicado à imprensa.

As notícias sobre a dispersão do rebanho não estão atingindo somente o público mas, também os funcionários do governo.

“O Departamento de Defesa envenenou as vacas da Highland Dairy, e as perdas são devastadoras e dolorosas”, disse James Kenney, secretário de gabinete do Departamento do Meio Ambiente do Novo México. “Em vez de assumir sua responsabilidade pela contaminação pelo PFAS, o Departamento de Defesa fechou o negócio da família e ainda tem a audácia de continuar seu litígio contra o Novo México – obrigando a população do Estado a pagar pela descontaminação e custos legais. Estamos no momento dando assistência à Highland Dairy no manejo das carcaças das vacas de leite como descarte de substâncias perigosas e buscando informações de especialistas sobre as opções de tratamento”.

NMED é a agência estadual que supervisona o plano de descarte da Highland Dairy, procedimento necessário para que Schaap seja indenizado por vaca dentro do Programa de Pagamento de Indenização de Vacas Leiteiras do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O programa que o USDA expandiu no ano passado, indeniza os produtores de leite pelas perdas com a contaminação do rebanho por substâncias tóxicas como o PFAS.

Agora é preciso um plano para descarte dos animais sacrificados.

Na primeira fase do plano, a fazenda irá fazer compostagem de todas as carcaças contaminadas com PFAS. Na segunda fase, a fazenda irá enviar para análise o material compostado e qualquer outro material para determinar as opções de remoção.

De acordo com o comunicado à imprensa do NMED, o plano de remoção da Highland Dairy é o primeiro do tipo a nível nacional a descartar vacas contaminadas com PFAS como resíduo perigoso e foi desenvolvido junto com a Agência de Serviço Agrícola do USDA, o Serviço de Conservação de Recursos Naturais do USDA, por veterinários do Estado do Novo México, o Departamento de Agricultura do Novo México e o NMED.  

“Eu apoio a abordagem do NMED com base científica para assegurar que o rebanho e outros setores da agricultura sejam seguros”, disse Jeff Witte, diretor/secretário do Departamento de Agricultura do Novo México. “Infelizmente, somos testemunhas de como o PFAS contaminou uma fazenda leiteira do Novo México”.

O Departamento Estadual do Meio Ambiente disse que já alocou US$ 850.000 com emergências contra os resíduos perigosos, limpeza de carcaças e  procedimentos associados. O departamento estima que já gastou mais de US$ 6 milhões para proteger a comunidade do PFAS.

Todos os estados lidam com PFAS e a indústria agrícola. Isso não é raro. O que é incomum é que o Novo México seja o primeiro caso conhecido de sacrificar 3.600 vacas. Estamos tratando o FPAS como deve ser tratado um resíduo perigoso”, disse Kenney.

As medidas são tomadas para ajudar a resolver a questão mas, não anula o fato de que vidas foram impactadas por produtos químicos usados em exercícios de treinamento da Força Aérea de Cannon.

“A Base da Força Aérea de Cannon conhece o que eles fizeram com as águas subterrâneas”, disse Schaap. “Eles esperam que os militares tenham integridade, mas o que estão fazendo com a comunidade de Clovis e as fazendas próximas à base não demonstra isso. Eles precisam se responsabilizar pela poluição”.  

Acesse aqui a matéria na íntegra

 

 

 

 

Cadastro Selectus

Assine nossa lista, e receba as últimas noticias no seu e-mail.

Cadastro Whatsapp

Receba as notícias no Whatsapp e esteje sempre atualizado